A lua ficou vermelha depois do eclipse.

Foi em setembro, no primeiro eclipse total da lua neste século.

Os jornais se referiram a ela como lua de sangue.

Às vésperas do Natal, penso nela como lua da esperança.
Esperança que veio vencer o medo novamente e anunciar um 2016 maior.

De certa forma, 2015 foi isso: o ano do eclipse.
Um instante de incerteza logo superado pela luz da lua.
Intensa, vermelha, soberana.

O ano termina com a esperança renovada.
A lua, vibrante, segue seu rumo, altiva e clara.
Vamos com ela, corações valentes.

Desejo a você um solidário Ano-Novo!